Fale Conosco

62 3220-9500

Tags:,

Obras de colégio padrão século XXI, em Cocalzinho de Goiás, serão retomadas pelo Governo de Goiás após sete anos paralisadas

educacao
10 de maio de 2021

Nova unidade educacional deve estar concluída no primeiro semestre de 2022. Quando estiver funcionando, colégio ampliará em 40% a sua capacidade de atendimento

O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), retomará, na próxima semana, as obras do Colégio Estadual Waldir José de Rezende, situado no distrito de Girassol, município de Cocalzinho de Goiás.

O prédio começou a ser construído em 2013 e foi paralisado poucos meses depois, em 2014, com apenas 30% do projeto arquitetônico concluído. O C. E. Waldir José de Rezende é mais uma das muitas obras deixadas inacabadas pela gestão passada.

A ordem de serviço para a retomada das obras será assinada no próximo dia 12, um dia que pode ser considerado histórico para a comunidade local, que há oito anos aguarda pela conclusão da unidade educacional.

Enquanto o prédio não fica pronto, os alunos estavam sendo atendidos em 11 salas modulares instaladas pela Seduc Goiás na quadra de esportes da Escola Municipal Maria do Carmo Guirra, espaço cedido pela prefeitura do município.

“Contamos com nove salas de aula e duas salas para os serviços administrativos”, explica a professora Sandra Fabiulla da Costa Lima, diretora do colégio. Ela afirma que o colégio hoje tem matriculados 896 alunos nos três turnos, ofertando o 6° e 7° ano do Ensino Fundamental, as três séries do Ensino Médio e o 4° e 6° período do Novo Ensino Médio.

Investimentos
Sandra Fabiulla conta que o novo prédio fica a duas quadras do local onde os estudantes assistiam as aulas presenciais, antes da implantação do Regime Especial de Aulas não Presenciais (Reanp) por medidas de segurança em relação à Covid-19.

Além do investimento de R$ 3.690.589,64 na conclusão das obras da unidade educacional, o Governo de Goiás destinou ao Conselho Escolar do colégio R$ 291.527,70 nos últimos dois anos. O dinheiro é destinado às despesas de custeio e benfeitorias.

Quando estiver pronto, o Colégio Estadual Waldir José de Rezende terá capacidade para atender até 1.260 estudantes, um acréscimo de 40% no número de vagas. “A demanda de atendimento nessa região é grande e crescente. Inclusive porque o município já iniciou a transição da oferta do Ensino Fundamental para a rede estadual e logo teremos mais alunos a partir do 6º ano”, destaca a diretora.

A gestora escolar é enfática em dizer que a inauguração do colégio vai garantir mais dignidade aos alunos, pois eles finalmente poderão estudar em um local apropriado para a aprendizagem. Ela ressalta também que o novo colégio abre a oportunidade para a oferta do ensino diurno aos alunos menores de idade.

Ensino de qualidade
Sandra Fabiulla faz questão de ressaltar ainda que há muitos anos os estudantes da rede estadual da região vinham sendo negligenciados em relação ao direito à educação pública de qualidade. “O fato de utilizarmos salas cedidas na escola municipal cerceava, de diversas formas, nossos projetos pedagógicos. Além disso, o ensino no noturno trazia muita insegurança aos pais de alunos menores de idade”.

Construído no modelo padrão arquitetônico século XXI, o prédio do Colégio Estadual Waldir José de Rezende deverá estar concluído no prazo de 10 meses, a partir da assinatura da ordem de serviço autorizando a retomada da obra. A unidade educacional contará com 12 salas de aula, biblioteca, dois laboratórios (Ciências e Informática), um bloco administrativo, sala dos professores, auditório, cozinha, pátio coberto com refeitório, quadra poliesportiva coberta, banheiros, vestiários, sala do grêmio estudantil, além de estacionamento interno e ampla área de convivência.