Fale Conosco

62 3220-9500

Tags:, , ,

Estudantes da rede estadual integram comitê voltado aos direitos das crianças e adolescentes de Goiás

educacao
5 de abril de 2021

Ao lado dos demais membros do Comitê de Participação Adolescente (CPA) do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente de Goiás, estudantes da rede estadual de Educação têm a oportunidade de participarem ativamente da formulação de políticas públicas

Dois estudantes da rede pública estadual de Educação foram eleitos para compor o Comitê de Participação Adolescente (CPA) do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente de Goiás (CEDCAGO). Durante a gestão 2020-2022, os jovens têm a oportunidade de participar ativamente dos processos de formulação, deliberação, monitoramento e avaliação das políticas públicas direcionadas às crianças e adolescentes de todo o Estado.

Um dos eleitos foi o estudante Gumercindo dos Santos Paiva Parreira, do Colégio Estadual João Velloso do Carmo. Aluno da 2ª série do Ensino Médio, o jovem conta que acabou descobrindo a oportunidade por acaso, enquanto participava de um outro programa voltado ao protagonismo juvenil.

“No ano passado uma professora me incentivou e me ajudou a criar um projeto de lei para o Programa Parlamento Jovem Brasileiro (PJB) e eu fiquei entre os pré-finalistas do Estado de Goiás. Foi dessa participação no PJB que surgiu a oportunidade de eu ser um dos titulares no CPA e eu fiquei muito feliz”, relembra Gumercindo Parreira.

Ao lado da estudante Eduarda Batista Sabino, Colégio Estadual Vital de Oliveira, localizado no município de Santa Helena, e da coordenadora de Protagonismo Juvenil da Superintendência de Ensino Médio da Seduc, Vanessa de Almeida Carvalho, Gumercindo Parreira tem participado de reuniões mensais do Comitê junto aos demais adolescentes indicados pelas Secretarias de Estado, Organizações da Sociedade Civil e Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA).

Nesses encontros, os alunos têm a oportunidade de expressarem suas opiniões sobre as políticas públicas voltadas à juventude e debaterem, com outros jovens, sobre assuntos que estão em pauta na sociedade. “Tem sido uma experiência diferente de tudo o que eu já vivi. Nós temos uma reunião virtual por mês com todos os adolescentes do Estado e cada reunião traz um tema em sua pauta. Na última, realizada no fim do mês de março, falamos sobre o dia da mulher”, relata Gumercindo Parreira.

Para a superintendente do Ensino Médio da Seduc, Osvany Gundim, o CPA tem sido importante para constituir espaços nos quais os jovens possam a desenvolver habilidades que favoreçam o aprendizado e vivenciar contextos diferentes, ampliando os conhecimentos. “É contribuir para a formação plena dos estudantes”, afirma.

O CEDCAGO

O Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente de Goiás (CEDCAGO) é um órgão deliberativo vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Seds). Criado pela Lei Estadual nº 11.549, de 16 de outubro de 1991, o CEDCAGO é composto por 12 membros representantes do Poder Executivo, integrantes dos órgãos responsáveis pela execução das políticas públicas, e 12 membros representantes de entidades da sociedade civil organizada.

Em 2015, o CEDCAGO criou a Comissão Permanente Voz Ativa, com intuito de reunir os adolescentes e dar voz a eles. A partir desse momento, a comissão passou a incluir os jovens na realização do seu planejamento, orientando-os quanto à importância da participação em eventos, nos diversos espaços da política da criança e adolescente. O Comitê de Participação Adolescente, no entanto, só foi criado em 2017, após resolução do Conselho Nacional da Criança e Adolescente (CONANDA).

Para Gumercindo, que sonha com a chance de se tornar professor no futuro, a oportunidade de participar ativamente do CEDCAGO tem sido essencial não só para o seu aspecto intelectual, mas também para o aspecto pessoal.

“Eu vejo o CPA como um espaço importante para jovens e adolescentes, onde nós podemos crescer e lutar por nossos direitos de forma igual. Eles sempre nos dão voz!”, concluiu o estudante.