Fale Conosco

62 32016727

Tags:, , ,

Profissionais de apoio auxiliam estudantes durante regime especial de aulas

educacao
26 de março de 2020

Trabalho conjunto entre profissionais de apoio, professores e pais flexibiliza as atividades propostas, atendendo as necessidades de aprendizado de cada aluno

Alunos com deficiências, transtorno do espectro autista, altas habilidades e superdotação têm contado com um auxílio especial durante o regime de aulas não presenciais. Junto aos professores regentes, profissionais de apoio têm trabalhado para flexibilizar os materiais e atividades propostas de modo a garantir o máximo aprendizado a todos os estudantes.

Maria José Portela, do Colégio Estadual João Velloso do Carmo, é uma dessas profissionais. Há dois anos ela atua no atendimento educacional especializado (AEE) de alunos com deficiência auditiva, acompanhando e auxiliando nas atividades. Mas, com as aulas não presenciais, Maria José está tendo que se reinventar.

“Estamos fazendo o possível para alcançarmos todo o alunado e o mais importante é que toda a equipe escolar está trabalhando junto para que todos os alunos realmente consigam acompanhar, estudar e fazer as atividades”, conta Maria José, que tem usado mensagens de texto e vídeos para auxiliar os estudantes. De acordo com a profissional, a grande questão tem sido conscientizar os estudantes sobre a importância de fazer as atividades, encorajando-os a enfrentar as dificuldades diante da tecnologia.

Apoio familiar

Para Dalva Castro, professora do Colégio Estadual Silvio Gomes de Melo Filho, conseguir o apoio dos pais também tem sido um desafio. “Os alunos da sala de AEE estão recebendo as atividades e orientações do professor regente, profissional de apoio e coordenadores pedagógicos através de e-mail, whatsApp, videoaula e impressas, quando o responsável pelo aluno busca ou pede para um mototáxi vir buscar. Mas, alguns pais de alunos ainda não buscaram as atividades”, afirma a professora Dalva.

Responsável pelo atendimento de 17 alunos de AEE, a professora Dalva Castro ressalta que, apesar do fácil acesso aos estudantes através da videochamada, falta nas aulas não presenciais um ingrediente importante. “Sabemos que a afetividade e o calor humano são essenciais para o processo de aprendizagem”, ressalta a professora. Para driblar essa questão, Dalva reforça a importância da união entre a família e a escola. “O momento é muito oportuno para que a família e a escola reflitam sobre o seu papel na educação de nossas crianças e adolescentes. Temos que ser parceiros sempre, lutando pelo mesmo ideal”, conclui Dalva.

(Comunicação Setorial da Secretaria de Estado da Educação)