Fale Conosco

62 3220-9500

Tags:, , , , ,

“É um planejamento e uma organização de mais de um ano de trabalho”, afirma Fátima Gavioli sobre a retomada das aulas presenciais

educacao
17 de agosto de 2021

Secretária da Educação participou de entrevista na manhã desta terça-feira, 17/8,  e falou sobre volta às aulas, evasão escolar e vacinação de professores

Em entrevista ao programa Café com CBN, transmitido na manhã desta terça-feira (17/8) pela Rádio CBN Goiânia, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, e a secretária de Estado da Educação, Fátima Gavioli, esclareceram dúvidas sobre a retomada das aulas presenciais na rede pública estadual de ensino.

“É um planejamento e uma organização de mais de um ano de trabalho”, afirmou a secretária da Educação ao ser questionada sobre os riscos do retorno às salas de aula.

De acordo com a secretária, é preciso relembrar que Goiás foi um dos primeiros estados a suspender as aulas presenciais em 2020 e que só agora, mediante a autorização do Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública para Enfrentamento ao Coronavírus (COE), elas foram retomadas.

Fátima Gavioli também fez questão de ressaltar as medidas adotadas pelo Governo de Goiás para garantir que o regime de aulas híbrido entrasse em vigor. Segundo ela, além da adoção de um protocolo de biossegurança, a aquisição e distribuição de equipamentos de proteção individual e coletiva (EPIs e EPCs) e a disponibilização da Internet Patrocinada têm sido fundamentais para o retorno seguro às aulas e para a continuidade do processo de ensino e aprendizagem.

“Não há evidências de que a escola aberta esteja contaminando mais do que o período em que as escolas estavam fechadas”, afirmou a secretária, reforçando a segurança do processo de retomada das aulas presenciais.

Vulnerabilidade e evasão escolar

Para o governador Ronaldo Caiado, além do aspecto pedagógico, é preciso reforçar o papel que a escola representa no atendimento às crianças em situação de vulnerabilidade. De acordo com ele, mesmo com as ajudas e auxílios criados pelo Governo de Goiás, a escola ainda é um elo importante para o atendimento das famílias carentes.

“As crianças são as maiores vítimas no processo. Quanto mais você cerceia o convívio e o acesso a uma alimentação correta, mais você está fragilizando aquelas crianças que são vulneráveis. É uma questão até humanitária”, afirmou Caiado, destacando os riscos da manutenção das aulas não presenciais.

Outro ponto elencado pelo governador foi a reforma das unidades escolares e uma maior estruturação desses ambientes, com a criação de laboratórios e a distribuição de uniformes e de materiais escolares, o que, segundo ele, contribuirá diretamente para que os estudantes e suas famílias compreendam a importância da Educação e tenham prazer em continuar os estudos.

“O jovem está ávido por aquilo que é crescente na vida dele. E é isso que nós temos que buscar nas escolas”, destacou o governador.

Vale lembrar que, nesse primeiro momento, a retomada das aulas nas escolas públicas estaduais tem priorizado o atendimento presencial aos estudantes em situação de vulnerabilidade social, sem acesso à Internet ou que estejam matriculados em séries finais do Ensino Fundamental (9º ano) e Médio (3º série).

Vacinação dos professores

Outra temática abordada durante a entrevista foi a vacinação dos profissionais da Educação, iniciada em Goiás no mês de maio.

Para a secretária da Educação, Fátima Gavioli, a vacinação tem evitado um aumento de números de casos de Covid-19 nas escolas. Ainda assim, 415 servidores da Educação do Estado optaram por não se vacinarem contra a Covid-19. Como medida de proteção, esses profissionais devem enviar, junto com a folha de ponto, testes de detecção de Covid-19 realizados quinzenalmente.

A expectativa é de que, até o dia 30 de agosto, 50% dos servidores estejam imunizados com as duas doses da vacina. E, até o dia 30 de setembro, todos devem estar completamente vacinados.

Sobre a antecipação da 2ª dose para os professores, o governador afirmou que, neste momento, a intenção do Estado “é avançar na primeira dose”. De acordo com ele, caso o volume de vacinas destinadas a Goiás consiga atender a todo o público, aí sim poderá ser pensada uma antecipação para toda a população goiana.